Sunday, May 22, 2011

A tua pureza

A tua pureza clara
cativa, cultiva e sara
o estranhamento do instante.
É frágil como uma erva,
e de uma beleza cortante,
o que tua face conserva.
A tua pureza rosa
diferencia-se na selva
junto à pele cheirosa,
e o meu olhar curioso
não cansa de procurar
o teu, alinhado e mimoso.
A tua pureza é doce,
e eu queria senti-la
por onde quer que fosse.
E teria em minha mochila,
a todo tempo possível,
a tua inocência pupila.
Mas tua pureza foge
do que te faria mal;
há sempre um caçador vil
procurando, esperto,
chegar cada vez mais perto
de teu corpo juvenil.
Porém, meu deleite servil
não implica interesse carnal,
meu lugar é aqui no chão,
o teu é o céu de anil.
Só queria o par de teus olhos,
os teus cabelos tão leves,
teus lábios tão sorridentes,
tua companhia tão breve.
Virtudes que em suas unidades
me valem por mais de mil.

4 Comments:

Blogger Nayara Xavier said...

"Nasceram flores num canto de um quarto escuro" - essas são suas flores, Leon... a poesia é tua flor. Linda como as outras... linda.

11:46 AM  
Blogger Iza said...

"Porém, meu deleite servil
não implica interesse carnal,
meu lugar é aqui no chão,
o teu é o céu de anil."

O poema é de um romantismo que só percebem aqueles que diferenciam o prazer carnal do prazer sentimental.

Quiçá já tenhas encontrado a musa a inspirar este poema e que ela saiba retribuir a altura o que aí está escrito.

Te um pouco mais romântico e menos amargo. Se eu não soubesse que foi você que escreveu, certamente pensaria que foi outro.

Beijos!

4:52 PM  
Blogger Maria Luiza said...

"Só queria o par de teus olhos,
os teus cabelos tão leves,
teus lábios tão sorridentes,
tua companhia tão breve."
Muito lindo Leon, não tenho criticas apenas elogios, o que poderia dizer além de Lindo!

10:13 PM  
Anonymous Marília Melo said...

Amo esse poema,não me canso de lê-lo! =D Lindo! Inigualável!

7:15 PM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home